Trump despede 250 trabalhadores na Florida

A empresa Trump Miami Resorts Management notificou as autoridades do estado da Florida que vai despedir 250 trabalhadores do complexo hoteleiro e de golfe que possui em Doral (Miami-Dade). Refira-se, a propósito, que atitudes como esta não acontecem pela primeira vez, como já noticiou o Opção Turismo.

Os 250 funcionários, nomeadamente pessoal de cozinha, dos quartos, funcionários da copa e recepcionistas, – todos sem filiação sindical – que serão despedidos faziam parte de um conjunto de 560 que esta empresa do presidente norte-americano, Donald Trump, tinha suspendido temporariamente de emprego e salário em Março, no início da pandemia.

Segundo a imprensa local, a notificação foi feita na semana passada e está nos registos do Departamento de Oportunidades Económicas da Florida.

Recorde-se que, em Abril, quando foi notificada a suspensão do emprego e salário de quase 600 pessoas, a empresa argumentou com a natureza repentina, dramática e imprevista da calamidade da covid-19.

O director do complexo, David Feder, disse agora que os despedimentos definitivos foram decididos devido à nova e imprevisível informação sobre a gravidade e duração dos efeitos da pandemia no negócio.

Também em Abril, o clube turístico privado Mar-a-Lago, a propriedade de Palm Beach, na Florida, onde Trump tem residência, anunciou a suspensão temporária de mais de 150 trabalhadores, por encerramento, para evitar a propagação do vírus, segundo fontes oficiais.

Em carta enviada em finais de março, tanto ao condado de Palm Beach, como ao Departamento de Oportunidades Económicas, a gerência de Mar-a-Lago indicou que esperava que as 153 situações de ‘lay-off’ fossem temporárias, mas não informou quando é que os trabalhadores regressariam.

A gestão das empresas de Trump está a ser feita pelos filhos e colaboradores,  desde janeiro de 2017, altura em que foi quando foi empossado presidente norte-americano.