COMPARTILHE

Os resultados globais do turismo nacional no verão de 2019 deverão ser melhores que os de 2018, ainda que o ritmo de crescimento seja agora mais moderado. A previsão é avançada na edição 59 do Barómetro do Turismo do IPDT.

No que se refere ao mercado interno, mais de 80 por cento dos respondentes acreditam que o desempenho do turismo vai ser igual ou melhor, face ao verão do ano passado, no que toca a turistas, dormidas e receitas.

O mercado externo deverá ser mais contido que o interno, uma vez que 60 por cento dos inquiridos admitem um desempenho igual ou melhor, relativamente ao mesmo período de 2018.

O nível de confiança médio no desempenho do turismo atingiu, em abril os 77,6 pontos, um ligeiro decréscimo face ao último registo de janeiro de 2019. Segundo alguns membros do painel, a reacção do mercado britânico ao Brexit, a recuperação de destinos concorrentes de Portugal e o abrandamento da economia europeia são factores que vão impactar o desempenho do turismo no verão de 2019.

Nos próximos seis meses o número de pessoas empregadas, a procura turística interna e o investimento privado deverão registar aumento. Já o investimento público poderá ser menor.

Os EUA deverão liderar o crescimento dos mercados internacionais, esperando-se que Brasil e China também continuem a crescer consideravelmente. O painel destaca ainda o mercado interno que terá um papel muito relevante na procura turística para o verão de 2019.

No que diz respeito aos fatores que mais vão influenciar a escolha dos destinos de viagem, as opiniões dividem-se entre familiares e amigos (47 por cento) e redes sociais (44 por cento), com destaque para o Instagram e Facebook (76 por cento). Seguem-se agências de viagens e operadores (37 por cento) e sites de pesquisa e reserva de viagens (34 por cento). Destes, destacam-se Booking (31 por cento) e TripAdvisor (27 por cento).

Quanto à previsão de desempenho do turismo nacional para o verão 2019 e no que concerne ao mercado interno, mais de 80 por cento dos respondentes acreditam que o desempenho do turismo vai ser igual ou melhor, face ao verão do ano passado, no que toca a turistas, dormidas e receitas. O mercado externo deverá ser mais contido que o interno, uma vez que 60 por cento dos inquiridos admitem um desempenho igual ou melhor, relativamente ao mesmo período de 2018.