Início Destaques Para reanimar procura MSC Cruzeiros promove tarifas competitivas

Para reanimar procura MSC Cruzeiros promove tarifas competitivas

Eduardo Cabrita, director-geral da MSC Cruzeiros em Portugal disse ao Opção Turismo que, para reanimar a procura, a companhia está a promover tarifas mais competitivas que podem atingir uma diminuição de até 30%.

À margem de uma conferência de imprensa realizada via online, esta quinta-feira (04), o responsável da companhia de cruzeiros no nosso país adiantou ainda ao nosso jornal que, para puxar o mercado, vale a pena destacar a promoção em vigor em que o segundo passageiro é grátis.

Embora considere que o factor preço não é determinante, Eduardo Cabrita disse que, por exemplo, um cruzeiro de 7 noites no Mediterrâneo, a bordo do Grandiosa, que poderia custar 600 euros, está a ser comercializado por 400 euros.

Para além desta promoção, o director-geral da MSC Cruzeiros em Portugal, avançou na conferência de imprensa, que o objectivo da empresa que representa é neste momento comunicar cada vez mais com os agentes de viagens, nomeadamente portugueses, seus parceiros exclusivos, até porque, o mais novo navio da companhia – o MSC Virtuosa, que entrará ao serviço no próximo mês de Março, vai realizar na temporada de Verão, a partir de 18 de Setembro, cinco cruzeiros com partidas e chegadas a Lisboa, sem contar com MSC Spendida que fará quatro cruzeiros com saída e chegada ao Funchal, “um factor de sucesso em tempos de pandemia, uma vez que os portugueses não vão necessitar de outras componentes, nomeadamente, o aéreo.

Assim, Eduardo Cabrita está confiante, acreditando que até lá os portos em Portugal estarão reabertos para a normalização da actividade de cruzeiros.

Respondendo a outra questão colocada pelo Opção Turismo, Eduardo Cabrita revelou que, porque os passageiros de cruzeiros fazem as suas reservas com muita antecedência, a companhia, mesmo em Portugal, teve de fazer alguns reembolsos, mas depois da entrada em vigor da lei que passou a exigir apenas a política de vouchers, a companhia de cruzeiros passou a dar a possibilidade aos passageiros de remarcar as suas viagens até 2021, e em alguns casos, até 2022, com possibilidade de usufruírem de um crédito a bordo de 200 euros, para além de uma comissão extra ao agente de viagens.

O responsável da MSC Cruzeiros no nosso país avançou ainda que a eficácia das medidas de higiene e segurança a bordo dos navios já comprovada, mas também todos os protocolos sanitários implementados, a garantia de segurança tripulantes e dos passageiros não só a bordo como durante as excursões, permitiram à companhia, que retomou a actividade em Agosto do ano passado, tenha transportado cerca de 20 mil passageiros em cerca de 20 cruzeiros.

De realçar que os navios que estão no mar, reduziram a sua capacidade em um terço no que respeita ao número de passageiros, criando mais espaço de circulação e bolhas sociais. O MSC Grandiosa, que tem capacidade para cerca de 6.000 passageiros, só está a receber no máximo 2.000 como exemplificou Eduardo Cabrita.

Para dar ainda mais confiança à retoma plena da actividade e como forma de colocar a indústria de cruzeiros na linha de frente, para além das medidas de segurança adoptadas, Eduardo Cabrita realçou que os tripulantes têm que apresentar testes de Covid-19 realizados no país de origem e à chegada ao navio seguidos de quarentena a bordo, mesmo que apresentem resultado negativo.

Os passageiros também têm que apresentar um teste de Covid-19 com resultado negativo antes de embarcar, seguido de um teste de antigénio a realizar a bordo do navio. Mesmo com a chegada da vacina contra esta pandemia, para já a MSC Cruzeiros não está a exigir esta condição para viajar.
No que diz directamente ao mercado português, o responsável disse que já teve alguns passageiros. Acredita, no entanto, que embora as reservas de cruzeiros sejam feitas com muita antecedência, vão passar a ser feitas num período mais curto.

Em termos de conclusão, Eduardo Cabrita disse aos jornalistas que o ano de 2020 foi de suspensão, 2021 será de transição, com números “simpáticos” em termos de vendas, mas acredita que 2022 a indústria de cruzeiros será ano de estabilização e até de alguma euforia. Este era um dos sectores do turismo que mais crescia na última década.



Mais notícias em OPÇÃO TURISMO Siga-nos no FaceBook , Instabram ou no Twitter