COMPARTILHE

Uma cadeia hoteleira europeia – por sinal ainda não estabelecida no nosso País – começou a oferecer aos seus clientes, aquando do ‘check in’, a possibilidade de dispensarem a limpeza diária do quarto/sala, em defesa do turismo sustentável. Parece ser algo estranho ˋa primeira vista mas as respostas surpreenderam os promotores da ideia. Em apenas dois meses, foram “canceladas” 10.000 limpezas de quarto!

De acordo com um estudo, sempre que um quarto/sala ´e limpo, são consumidos aproximadamente 7,5 litros de ´agua (sanitas, duches, chão, etc) e 0,07 kWh de energia ao aspirar por cinco minutos com um aspirador de 850 watts.

No entanto, refira-se, isto não ´e uma ideia nova pois ja foi feita há algum tempo a esta parte. Ou seja, o não limpeza diária dos quartos de hotel já foi implantada em outros lugares, embora de forma discreta e limitada. Por exemplo, em alguns hotéis das ilhas Canárias (Espanha) que oferecem descontos (€20) aos clientes em troca de não realizarem a limpeza diária do quarto e a cadeia Double Tree by Hilton também pratica o mesmo em alguns hotéis na Grã Bretanha.

Será que esta tendência vai continuar a espalhar-se pelo mundo? Eis a questão, como dizia o outro, Contudo, os especialistas alertam para o facto de esta adopção envolver alguns riscos.

O facto é que já são muitas as unidades hoteleiras – desconheço se em Portugal já se pratica ou não esta ideia/moda – a propor aos seus clientes o dispensarem a limpeza diária do quarto, depois de lhes explicarem o porquê desta atitude.

Estranha ou não, o facto é que tem ganho bastantes aderentes, nomeadamente jovens viajantes, das gerações Z (gente nascida entre meados dos anos 1990 até ao início do ano 2010) e Millenniais, conhecidos como a geração do milénio -, gente com mais consciência ambiental.

Já agora, acrescente-se como esclarecimento, que nesta primeira fase, apenas ´e proposta a não limpeza do quarto (sala), excluindo a casa de banho.

No entanto, para se conseguir um turismo sustentável, ainda muito se tem de exigir ˋas unidades hoteleiras (e não só). Por exemplo, o uso de produtos orgânicos, redução de produtos contendo cloro nas limpezas, iluminação LED, terminar com o plástico, etc.

Luís de Magalhães