Início B1 Europa deverá perder 6 milhões de voos até Fevereiro de 2021

Europa deverá perder 6 milhões de voos até Fevereiro de 2021

Segundo a Eurocontrol, a Europa deverá perder 6 milhões de voos entre Setembro de 2020 e Fevereiro de 2021. Isto porque as reservas aéreas para os próximos meses são extremamente baixas. Restrições gerais e quarentenas estão a destruir o sector de viagens e turismo, alerta a agência.

O Eurocontrol acaba de rever em baixa os cenários do tráfego aéreo europeu até Fevereiro do próximo ano, prevendo que o número total de voos esperados na Europa será 55% menor do que em 2019, uma queda de 6 milhões de voos, ou seja, menos 1 milhão de voos europeus planeados para este período.

É realmente preocupante para toda a indústria, disse Eamonn Brennan, director-geral da organização, alertando quea previsão pode piorar ainda mais se os Estados continuarem a impor restrições gerais e medidas de quarentena que estão a destruir a indústria de viagens e turismo.

Brennan destacou a actual falta de coordenação entre os Estados-Membros da União Europeia (UE) sobre como gerir as viagens aéreas, apesar da boa orientação da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) e do Centro Europeu de Controlo de Doenças Contagioso (ECDC).

De acordo com a Eurocontrol, as reservas para as companhias aéreas para os próximos meses são extremamente baixas. Em 13 de Setembro, o tráfego já havia caído 53%, em comparação com o mesmo mês de 2019, o que já era 13 pontos percentuais abaixo da previsão anterior.

– Há muita confusão e pouca confiança entre os passageiros e, claro, o aumento contínuo de surtos da Covid-19 em toda a Europa também não tem permitido melhorar esta situação, disse o director-geral da Eurocontrol, para acrescentar que este cenário poderia melhorar se houvesse maior coordenação entre os governos europeus sobre a melhor forma de administrar as viagens aéreas através de testes harmonizados e critérios de avaliação epidemiológica comuns.



Mais notícias em OPÇÃO TURISMO Siga-nos no FaceBook , Instabram ou no Twitter