COMPARTILHE

O Governo de São Tomé e Príncipe anunciou que a companhia aérea portuguesa euroAtlantic airways (EAA) vai deixar de voar entre Lisboa e São Tomé a partir de outubro. Isto, após a recusa das autoridades são-tomenses de estender o acordo em vigor, que adiantaram ainda que outros parceiros assumirão a rota.

Osvaldo Abreu, ministro das Obras Públicas, Infraestruturas e Recursos Naturais são-tomense, explicou que neste momento a euroAtlantic está a voar, ela é parte accionista da STP Airways, esta situação vai continuar, pelo menos até o mês de outubro.

Em declarações hoje aos jornalistas, o governante sublinha que o acordo entre a euroAtlantic e o Estado são-tomense vai até outubro, altura em que a rota será assumida por “outros parceiros”, que não especificou.

O ministro das Obras Públicas, Infraestruturas e Recursos Naturais garantiu também não haver incumprimento do acordo assinado, salientando que o governo são-tomense recusou aceitar a extensão de um pedido da companhia portuguesa como sendo o motivo essencial para a rotura da parceria.

Houve um pedido para a extensão de um determinado serviço pela euroAtlantic e o Governo de São Tomé e Príncipe achou que neste momento não havia condições para fazer a extensão deste serviço no âmbito do acordo e a empresa achou que sem a anuência desta solicitação ela não teria as condições para continuar a operar com a STP Airways”, explicou Osvaldo Abreu.

A EAA é a maior accionista da STP Airways, detendo a gestão da companhia aérea de bandeira de São Tomé e Príncipe.

Até ao momento ainda não é conhecido  qualquer comentário por parte da EAA.