Início B1 Enoturismo atraiu 10% dos turistas em Portugal nos últimos anos

Enoturismo atraiu 10% dos turistas em Portugal nos últimos anos

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, destacou que 10% dos turistas que visitaram Portugal nos últimos anos, antes da Covid-19, escolheram o país por motivos associados ao vinho, optando por fazer enoturismo.

O Governo está a trabalhar de forma muito focada o enoturismo desde 2019 e já podemos dizer que 10% daqueles que visitaram Portugal, nos últimos anos, antes da pandemia, vinham exclusivamente com motivos associados ao vinho, afirmou Rita Marques.

Portugal é um dos poucos países europeus que possui um plano de acção específico para o enoturismo e a aposta neste setor é um caminho que o país está a trilhar, frisou a secretária de Estado, que falava à agência Lusa, em Monsaraz, concelho de Reguengos de Monsaraz (Évora).

À margem do encerramento da 5.ª Conferência Global sobre Enoturismo promovida pela Organização Mundial de Turismo (OMT), na sexta-feira, Rita Marques afiançou que este evento marca o compromisso do país em continuar a trabalhar esta agenda, em que já muito fez, mas onde ainda existe um grande caminho para percorrer.

A governante lembrou que o plano de acção nacional para o enoturismo tem quatro grandes dimensões, a começar pelo ‘terroir’, ou seja, por trabalhar os territórios com as 14 comissões vitivinícolas, distribuídas por sete regiões.

Depois, trabalhar o produto de qualidade, como se apresenta, como é pode ser bem apreciado pelo turista, indicou, acrescentando que também é bastante importante a capacitação e qualificação das pessoas, assim como a promoção e o acrescento contínuo na cadeia de valor.

E a sustentabilidade, matéria na qual o turismo tem tido um papel importante, porque tem assumido uma liderança muito forte, tem que fazer parte do ADN em Portugal, defendeu Rita Marques.

Lembrando que muitas das 14 regiões vitivinícolas portuguesas desenvolvem a sua actividade nos territórios rurais e do interior, a secretária de Estado alertou que, fruto da pandemia da Covid-19, o enoturismo pode beneficiar essas zonas do país.

– Os motivos de viagem alteraram-se ligeiramente, todos nós procuramos locais onde podemos estar um pouco mais isolados do burburinho das cidades, e existe maior apetite para degustar produtos da terra, quer gastronómicos, quer vitivinícolas, realçou, indicando ainda que é preciso proporcionar produtos, mas também experiências e diversidade aos visitantes, porque Portugal tem que garantir que os visitantes possam pernoitar mais tempo, ou seja, para além da média de 2,7 noites de estadia, para garantir mais valor económico.

A Conferência Mundial de Enoturismo, que decorreu em Monsaraz na quinta e sexta-feira contou com 200 participantes presenciais e 600 online de cerca de 70 países e teve como tema o ‘Enoturismo – um motor para o desenvolvimento rural’. O evento foi promovido pela Organização Mundial do Turismo, Turismo de Portugal e município de Reguengos de Monsaraz.

Durante a conferência foi ainda assinado um memorando entre a OMT a Great Wine Capitals, e de outro memorando de entendimento para a criação do Conselho Estratégico Nacional – Programa de Acção Português para o Enoturismo.

Portugal passou o testemunho a Itália que vai acolher, no próximo ano, a sexta Conferência Internacional de Enoturismo.



Mais notícias em OPÇÃO TURISMOSiga-nos no FaceBook , Instabram ou no Twitter

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here