easyJet prevê Verão com resultados próximos da pré-pandemia

Num comunicado agora divulgado, a companhia aérea easyJet considera que a variante Ómicron do coronavírus penalizou a procura de passageiros no mês passado, mas, ao mesmo tempo, reportou ter sentido um impulso no processamento de reservas na sequência do fim da exigência, no Reino Unido, de testes covid para os vacinados.

No entanto, agora, a low cost britânica, destaca que a flexibilização das regras para viagens internacionais no Reino Unido aumentou as reservas de voos. Nesse senti, a empresa prevê um Verão muito positivo em destinos de praia e lazer, com níveis próximos do pré-pandemia. Aliás, recorde-se que esta mesma ideia está na mente de outros grandes operadores internacionais como o Opção Turismo o referiu (Optimismo nos operadores britânicos)

No balanço do primeiro trimestre do ano fiscal (entre Outubro e Dezembro, no caso da easyJet), a empresa informou que a taxa de ocupação dos aviões caiu para 67% em Dezembro, face aos 80% registados em Outubro e Novembro de 2021. Mesmo assim, foi conseguido reduzir para metade as perdas brutas no trimestre, para 255 milhões de euros, o que compara com os cerca de 507 milhões de euros no mesmo período do ano anterior.

Embora preveja que a nova variante continue a impactar o seu desempenho a curto prazo, a easyJet antecipa que, entre Julho e Setembro, o seu programa de voos passará dos apenas 50% registados em Janeiro, face a 2019, para níveis muito próximos ao período pré-pandemia.