COMPARTILHE

A partir de 1º de setembro, será proibido o acesso de uma grande parte dos navios de cruzeiro que actualmente entram em Veneza, frente à Praça de São Marcos. A partir desta data deverão atracar nas docas de Fusina ou Lombardia, bem longe do centro da cidade e, claro está, sem as vistas imponentes que tinham no canal Giudecca.

Recorde-se que a decisão das autoridades, que já havia sido tomada em 2017, mas que deveria entrar apenas em vigor dentro de quatro anos, foi motivada pelos dois recentes incidentes com dois navios. Especialmente alarmante foi o do navio MSC Opera que colidiu com um pequeno barco e uma das docas da Giudecca.

Acrescente-se que nesta atitude das autoridades de Veneza, de acordo com alguns movimentos sociais da cidade, a passagem de navios de cruzeiro pelo canal provoca ondas que danificam as fundações dos edifícios. Outros críticos acusam esses cruzeiros de não contribuírem com riqueza, pois são turistas que residem no navio e só fazem uma breve visita à cidade.

A decisão da proibição foi adoptada pelo governo da Itália e afecta navios de mais de mil toneladas, que são quase todos os cruzeiros importantes.

Os ecologistas já responderam que a medida, embora bem-vinda, é insuficiente porque deve ser estendida a todos os navios de tamanhos menores.

Em 2013, o governo proibiu navios de mais de 96 mil toneladas, mas uma medida posterior devolveu esses navios à navegação. Finalmente, em 2017, este tipo de navios de cruzeiro e navios de carga foi novamente banido, mas o prazo para a sua entrada em vigor só começaria anos depois.

Agora, com a decisão tomada em Roma, finalmente a grande maioria dos navios de cruzeiro param de navegar pelo canal a partir de setembro.

LM