Áustria com restrições mais duras “perde” o Natal

Apenas uma semana depois de anunciar um bloqueio para os não vacinados, o governo federal austríaco decidiu aplicar restrições mais duras: a partir de hoje, 22 de Novembro, o isolamento afectará toda a população em geral, incluindo os imunizados.

O chanceler Alexander Schallenberg anunciou que, nos próximos 20 dias, todos os cidadãos terão que ficar em casa. Apenas podem sair para trabalhar, mas apenas quando necessário, fazer compras essenciais ou praticar desporto.

Da mesma forma, as aulas foram suspensas e lojas, restaurantes, hotéis e estabelecimentos de lazer começaram a encerrar.

Em simultâneo, o chefe do executivo também anunciou que estão a trabalhar para implementar a vacinação obrigatória a partir de Fevereiro de 2022.

Refira-se que a Áustria é um dos países europeus com uma das menores taxas de vacinação: 63,88% da população-alvo com vacinação completa e 68,2% com pelo menos uma dose.

A Associação da Indústria Hoteleira da Câmara de Comércio Austríaca (WKÖ) já anunciou que, embora a decisão envolva um prejuízo considerável para o turismo, não têm outra opção senão aceitá-la. Temos que apoiar. Segurança é a nova moeda do turismo, afirma Susanne Kraus-Winkler, presidente da WKÖ, admitindo a não realização das clássicas e tradicionais festas de Natal. Segundo a responsável, na melhor das hipóteses, a expectativa é que o sector retome na segunda quinzena de Janeiro. Esperamos que algo ainda possa ser salvo, frisa.

Para já, o sector do turismo e da restauração aguardam o apoio económico do governo austríaco para superar os prejuízos que este encerramento causará.

A verdade é que a Áustria já tinha sofrido uma onda de cancelamentos da Alemanha, um de seus principais mercados geradores de turismo, depois de o governo alemão ter classificado a Áustria como destino de alto risco, impondo novas restrições às viagens.