Alojamento turístico: dormidas alimentaram em Janeiro

O sector do alojamento turístico registou 853,2 mil hóspedes e dois milhões de dormidas em Janeiro de 2022, correspondendo a aumentos de 183,7% e 185,9%, respectivamente, superiores aos registados em dezembro passado, +148,9% e +169,7%, pela mesma ordem. Trata-se de uma informação retirada das estatísticas da actividade turística relativas a Janeiro de 2022, agora difundidas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Dados que, refira-se, ficam ainda longe do observado em Janeiro de 2020, antes da pandemia ter começado.

Comparando o passado mês de Janeiro com o mesmo mês de 2020, verifica-se que todas as regiões apresentaram diminuição do número de dormidas, destacando-se a Área Metropolitana de Lisboa (-48,7%). Contudo, a Região Autónoma da Madeira foi a que registou menores decréscimos em termos de dormidas de residentes (-0,4%), sendo seguida pelo Centro (13,4%) e Alentejo (-15,0%), e de não residentes (-34,1%), sendo a única com uma redução abaixo dos 40%.

No mês em referência, o INE diz que houve um aumento expressivo das dormidas em todas as regiões e que a Área Metropolitana de Lisboa concentrou 27,8% das dormidas, sendo seguida pelo Norte (17,7%), Algarve (17,3%) e Região Autónoma da Madeira (16,9%).

Em Janeiro 2022, o mercado interno contribuiu com 857,7 mil dormidas e os mercados externos totalizaram 1,1 milhões de dormidas.

No que concerne aos proveitos registados nos estabelecimentos de alojamento turístico, atingiram 106,4 milhões de euros no total e 76,0 milhões de euros relativamente a aposento.

Por sua vez, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 15,6 euros em Janeiro (21,5 euros em dezembro de 2021), enquanto o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 65,4 euros em janeiro (73,8 euros em dezembro).

Em Janeiro de 2020, o RevPAR tinha sido de 24,9 euros e o ADR 67,2 euros.