COMPARTILHE

De acordo com o AHP Tourism Monitors, ferramenta exclusiva de recolha de dados da Hotelaria nacional trabalhados mensalmente pela AHP – Associação da Hotelaria de Portugal, em maio de 2019 o ARR e o RevPar registaram, ambos, um crescimento de 2%, enquanto a Taxa de ocupação (TO) manteve os valores de maio 2018.

Em maio de 2019, a Taxa de Ocupação nacional atingiu os 78%, mesma percentagem que o mesmo mês do ano anterior. A destacar uma variação negativa nos destinos Madeira, Estoril, Açores e Aveiro e Beira Interior & Viseu. Em contraponto, a TO subiu na Costa Azul, Minho, Lisboa, Alentejo e Algarve.  Lisboa (90%), Grande Porto (87%) e Costa Azul (83%) foram os que registaram uma maior taxa de ocupação.

Já quanto ao ARR, este subiu 2%, fixando-se em 99 euros. Neste indicador, destaque para as categorias 3 e 4 estrelas, com um crescimento de 5% e 3%, respectivamente.

O RevPar foi de 77 euros, mais 2% face ao período homólogo. Os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram Lisboa (120 euros), Grande Porto (91 euros) e Estoril/Sintra (80 euros).

Cristina Siza Vieira, CEO da AHP, explica que, em maio, como já se perspectivava, em maio, o Minho, Coimbra, Costa Azul e Alentejo registaram crescimentos expressivos em todos os indicadores de operação, particularmente no preço médio e na TO, uma vez que são os destinos com maior margem para progressão.

Em sentido contrário, a maior preocupação é o destino turístico Leiria/Fátima/Templários que neste mês, um mês tradicionalmente forte para Fátima, teve um quebra bastante significativa tanto no ARR como no RevPar, apesar do crescimento de um por cento na taxa de ocupação, salienta Cristina Siza Vieira acrescentando que estamos a falar de um destino que teve um grande ‘boom’ de visitantes durante o ano de 2017 e que desde então tem vindo a decrescer, tanto em ocupação como em preço.

A responsável da AHP termina mostrando uma preocupação pela proposta de regulamento para implementação da taxa turística neste destino que, a avançar, será claramente prejudicial para a hotelaria e, portanto, para a região.