Por muito que se tenha evoluído um dos problemas de Portugal continua a ser a burocracia. E a lentidão. De tal forma que, por vezes, faz afastar investidores e deita por terra investimentos de milhões. E Carlos Leal, director geral da United Investments Portugal, sabe bem disso. O Vale do Freixo foi comprado em 2001, e, em 2012, teve o aval, (diga-se, a aprovação de três secretários de Estado – Ambiente, Economia e Turismo – durante o Governo de Passos Coelho) para seguir em frente. Mas depois disso o projecto ficou encalhado, à espera da aprovação do Instituto de Conservação da Natureza. Em causa o excesso de densidade. Algo que a UIP refere ser inacreditável dado que a densidade definida pelo projecto está abaixo da volumetria permitida pela legislação.

Neste momento a UIP esta a fazer um estudo de impacto ambiental. Enquanto isso não avança (o projecto), e sobre o tema Carlos Leal refere que é “ter paciência” a empresa continua a investir. Ainda este ano traz para Portugal, mais precisamente no Porto, a marca YOTEL, que entra pela primeira vez na Península Ibérica. Localizado junto à estação da Trindade, representa um investimento de 30 milhões de euros.

A estratégia da UIP passa, essencialmente, por trazer, para Portugal, marcas de prestígio. Foi assim com o Pine Cliffs, com o Sheraton em Cascais e, agora, em Lisboa, com a Hyatt Regency. A marca já há algum tempo que estava a tentar entrar no mercado português. O projecto está em fase de construção e, tal como os restantes (e obedecendo às áreas de negócio da UIP) tem uma componente hoteleira e uma residencial.

No total a UIP tem, em Portugal, investimentos de mais de 500 milhões de euros. A afirmação é de Carlos Leal durante a apresentação do novo projecto em Gaia. Com mais de 1600 quartos e uma equipa de 1500 colaboradores a empresa tem como marca emblemática o Pine Cliffs Resort, no Algarve. Mais recentemente ficou responsável pelo Sheraton Cascais Resort e criou ainda o Spa brand Serenity – The Art of Well Being.

Depois dos problemas enfrentados com o projecto do Algarve – Vale do Freixo – o de Gaia, mais precisamente a Quinta Marques Gomes, foi uma lufada de ar fresco. Isto porque o loteamento e licenciamento já estava aprovado.

O certo é que, depois de o Pine Cliffs estar esgotado a empresa começa a olhar para outras zonas do país. Ainda este ano o Yotel deverá ser inaugurado no Porto, no próximo ano será o Hyatt Regency em Lisboa e o boutique hotel em Vila Nova de Gaia, embora ainda não haja uma data específica (dada a exigência inerente à recuperação do palacete) a previsão aponta para 2025.

Apesar dos montantes envolvidos (avultados) a UIP continua aberta a novas oportunidades. No entanto, e sem mencionar nomes ou localidades, o certo é que a estratégia e posicionamento, serão os mesmos. Marcas de prestígio/premium.

Alexandra Costa



Mais notícias em OPÇÃO TURISMO Siga-nos no FaceBook , Instabram ou no Twitter