Início Opinião/Crónica 73% dos hotéis em Portugal devem reabrir portas durante o mês de...

73% dos hotéis em Portugal devem reabrir portas durante o mês de Junho

COMPARTILHE

A CEO da AHP, Cristina Siza Vieira, disse esta quinta-feira (4), que 73% das unidades hoteleiras em Portugal vão experimentar abrir portas durante este mês, apesar de se apresentarem com capacidade e serviço reduzidos.

Ao apresentar os resultados de um inquérito realizado junto dos associados da AHP, realizado entre 15 e 29 de Maio, a executiva destacou que, mesmo com as reduções estimadas nas taxas de ocupação e nas receitas hoteleiras, os empresários dizem que não vão baixar preços, ao contrário do que se podia esperar.

– Não vai haver saldos nem uma hecatombe nos preços. O preço praticado será idêntico ao do ano passado, ou apenas uma pequena redução, que pode ir até os 20%. Haverá sim promoções, campanhas ou updgrades, até porque os custos na hotelaria vão crescer este ano, disse, acrescentando que são as ferramentas saudáveis de lidar com o mercado que está oprimido, mas a intenção no grosso da hotelaria é que o preço se mantenha.

Em medidas de higiene, limpeza e segurança, os estabelecimentos contam gastar uma média mensal de 3.818 euros, o que equivale a mais de 45 mil euros anuais. Por quarto, os gastos ascendem, em média, a 40 euros.

No primeiro inquérito, ainda em Março, havia mais optimismo e a maioria falava em perdas de receita de 10%. Agora, as estimativas apontam para uma perda de receita entre os 70% e os 90% nos primeiros seis meses mas, na totalidade de 2020, a AHP antecipa uma quebra entre os 60% e os 89%. Em euros, isto equivale a uma perda entre os 3,2 e os 3,6 mil milhões de euros.

Em termos de taxa de ocupação, a AHP prevê um recuo entre os 70% e os 90% no primeiro semestre. Contudo, disse Cristina Siza Vieira, espera-se que o segundo semestre tenha uma melhor performance. Assim, as estimativas apontam para uma perda entre os 50% e os 70% na taxa de ocupação na totalidade do ano.

Para tentar conquistar mais hóspedes, os hotéis adaptam-se. Cristina Siza Viera apontou a importância do Selo ‘Clean & Safe’ atribuído pelo Turismo de Portugal, indicando que 70% dos hotéis já o ostentam, factor que considera decisivo na hora de um hóspede escolher onde ficar alojado.

Quanto às condicionantes à operação, a CEO afirmou a hotelaria em Portugal aponta a quase inexistência de operações aéreas, o medo de viajar por parte dos turistas, a possível não continuidade do lay-off e a dificuldade de retoma do segmento MICE, importante principalmente fora da época alta. Em último lugar, e quase sem expressão, aparece a concorrência de outros destinos.

Mais notícias em OPÇÃO TURISMO Siga-nos no FaceBook