Início noticias Duas perguntas a Pedro Costa Ferreira

Duas perguntas a Pedro Costa Ferreira

15MAI24 – Afinal, a grande incógnita que pairava sobre os portugueses, sobretudo nos últimos tempos, era saber onde ficaria localizado o futuro aeroporto, que será batizado com o nome de Luís de Camões, na esperança de que realmente ou não venha a ser construído. E o Governo decidiu: ficará em Alcochete e com ele, ou melhor, antes dele, muita coisa será construída.

O Opção Turismo decidiu pedir a opinião de alguns responsáveis ligados ao Turismo, sendo que a principal pergunta era saber se concordavam com a localização escolhida.

O primeiro, foi Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT)

Opção Turismo – Agora que, finalmente (esperamos) está decidida a localização do novo aeroporto de Lisboa, que se oferece dizer sobre este tema?

Pedro Costa Ferreira – O Governo fez o que devia fazer  …  decidir. Nesse sentido, tem o nosso respeito e apoio. O PS também já veio dizer que está de acordo, mais uma boa notícia.

Outra coisa, é perguntar-me se estamos próximos de uma solução. Não estamos.

Não estamos porque Alcochete é uma solução de longo prazo, que demorará longos anos a concretizar, e nós precisávamos, por força dos ‘slots’ recusados todos os dias e concomitantes receitas turísticas deitadas fora, de uma solução de médio prazo, para além da solução de longo prazo (admitindo que a solução de curto prazo estará sempre associada às obras na Portela).

Acresce que o processo de início e execução das obras de Alcochete, ainda está na casa de partida, aguardemos, pois, pelos próximos episódios, concretamente a atuação dos “ambientalistas. A verdade é que tínhamos um “joker”, o “Documento de Impacto Ambiental” relativamente ao Montijo, e deixaram-no cair; veremos quanto tempo teremos de percorrer até obtermos novo DIA, seja para que localização for.

Face a todos estes factos, acolhemos com muita satisfação a notícia do desenvolvimento de obras na Portela, para qualificação dos serviços e dotação de maior capacidade operacional (movimentos por hora), uma abordagem de curto prazo absolutamente necessária e defendida por todo o sector turístico.

Opção Turismo – Dorme mais descansado?

Pedro Costa Ferreira – Sempre que nem um anjinho, apesar de tudo…