Início principal O que podem esperar os passageiros aéreos nesta Páscoa

O que podem esperar os passageiros aéreos nesta Páscoa

27MAR24 – A Páscoa é o primeiro período de férias do ano e, como tal, muitos portugueses aproveitam esta altura para fazer a sua primeira viagem do ano, em família. Assim, é natural que o tráfego nos aeroportos aumente e, consequentemente, os atrasos ou cancelamentos de voos tornam-se mais comuns.

Por este motivo, a AirHelp, empresa mundial líder em tecnologia de compensação de passageiros aéreos, analisou os incidentes ocorridos durante a Páscoa de 2022 e 2023 para fornecer informações sobre o que os passageiros podem esperar se estiverem a planear viajar de avião nesta época festiva.

Durante a Páscoa de 2022, mais de 650 mil passageiros voaram a partir de um aeroporto português. Deste total, mais de 170 mil passageiros acabaram por sofrer alguma perturbação no seu voo (26%). Já no ano de 2023, foram registados mais de 750 mil passageiros a partir num dos aeroportos de Portugal e, com este aumento, registou-se um incremento dos passageiros afetados por cancelamentos ou atrasos nos seus voos: mais de 310 mil passageiros (41%).

Seguindo esta tendência, é de esperar que se registe um aumento de viagens na Páscoa de 2024, de passageiros aéreos nos aeroportos portugueses e, consequentemente, de perturbações nos voos.

Assim, a empresa analisou alguns destinos, de modo a ajudar na escolha dos portugueses:

  • Voos nacionais são uma boa opção, dado que se encontram no topo da lista de aeroportos com menos perturbações. São eles: Ponta Delgada (Açores), Porto e Funchal (Madeira).
  • Se conhecer cidades fora de Portugal for a intenção, então destinos como Madrid (Espanha), Paris (França) ou Barcelona (Espanha) são boas opções, pois são aqueles que apresentam aeroportos com menos perturbações.

Em ambos os anos (2022 e 2023), o dia com o maior número de perturbações foi o Domingo de Ramos, o dia que dá início à Semana Santa.

Os direitos dos passageiros antes de viajar de avião nesta Páscoa

Quando os passageiros têm problemas com o seu voo, tais como cancelamentos, atrasos ou recusa de embarque devido a overbooking, podem reclamar determinadas necessidades à companhia aérea:

  • Caso o voo seja cancelado ou caso o passageiro perca uma ligação devido a um atraso:a companhia aérea deve oferecer um voo alternativo com o mesmo destino se o passageiro quiser continuar a sua viagem. No caso de viagens domésticas, a companhia aérea pode oferecer um bilhete de comboio.
  • Se o passageiro tiver de esperar várias horas no aeroporto:a companhia aérea deve fornecer comida, bebida e Internet ou cobrir os custos do atraso.
  • Se for necessário pernoitar devido a um atraso de voo:podem ser reclamados o alojamento em hotel e o transporte do aeroporto.

É importante que os passageiros conservem todos os documentos relacionados com a sua viagem, bem como os fornecidos pela companhia aérea, para poderem pedir reembolso ou indemnização. É essencial conservar os documentos de viagem e conhecer o motivo do cancelamento ou atraso, bem como conservar todas as comunicações fornecidas pela companhia aérea. A hora de chegada ao destino também deve ser registada.

A AirHelp recorda ainda que, desde 2019, os cartões de embarque não são um documento necessário para apresentar uma reclamação.

Voo cancelado ou embarque recusado

Quando um voo é cancelado ou é recusado o embarque a um passageiro, as companhias aéreas devem oferecer possibilidade de continuar o seu voo, através de voos de reencaminhamento. O passageiro pode decidir recusar este reencaminhamento e pedir o reembolso total do bilhete.

Além disso, se o passageiro tiver incorrido em despesas adicionais durante este processo, pode pedir à companhia aérea que as cubra.

O Regulamento CE 261/2004 estabelece que os passageiros têm direito a uma indemnização até 600 euros em caso de atrasos superiores a três horas à chegada ao destino, de cancelamentos sem aviso prévio e de overbooking. Esta compensação financeira pode ser reclamada retroativamente até três anos após o voo.

A companhia aérea pode isentar-se desta obrigação em caso de condições meteorológicas adversas ou de emergências médicas, mas em caso de greves ou perturbações causadas pelo pessoal da companhia aérea, os passageiros têm o direito de apresentar os seus pedidos de indemnização.

Aceda ao Guia dos Direitos dos Passageiros Aéreos