Início principal Emissões zero e proteger a biodiversidade são metas da próxima década

Emissões zero e proteger a biodiversidade são metas da próxima década

Zurab Pololikashvili alertou para o facto do setor do turismo necessitar de mais investimentos verdes, porque está a falhar na concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030. “Estamos a ficar para trás na corrida para alcançar as metas do desenvolvimento sustentável”, disse o secretário-geral da Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas.

Nesse sentido, Zurab Pololikashvili defendeu a urgência de “regressar ao caminho certo”, sublinhando “a importância de aumentar os investimentos verdes para fazer este setor mais sustentável do que nunca”.

Recorde-se que os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030, acordados pelos países-membros da ONU em 2000, incluem a erradicação da pobreza e da fome, redução das desigualdades, energia limpa e acessível e a ação contra as alterações climáticas.

Na mesma altura, a presidente executiva do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) foi mais longe e defendeu que “o foco da próxima década tem de ser alcançar emissões zero e proteger a biodiversidade”.

Julia Simpson lembrou que a intensidade de produção de emissões de carbono no setor já está a diminuir. “É algo positivo e importante, mas não é suficiente”, disse, sublinhando que “as viagens internacionais continuem extremamente dependentes dos combustíveis fósseis”.

A dirigente disse que aviões movidos por energias renováveis ainda vão demorar a chegar e apontou os biocombustíveis como “a única solução a curto prazo para a indústria de aviação e as viagens de turismo” e apelou a todos os países para realizarem estudos sobre a possibilidade de “multiplicar a produção de biocombustível sustentável para a aviação” nos próximos dez anos.

Também o ministro da Cultura e Turismo da China, Hu Heping, sublinhou que “a proteção ambiental tem de ser uma pré-condição para o desenvolvimento” da indústria do turismo e defendeu que, embora o acesso ao turismo seja “um importante critério para avaliar a qualidade de vida” da população, o setor tem de também melhorar a vida da população local.

“Temos de levar em consideração a capacidade ecológica, os esforços necessários para restaurar a natureza e a capacidade de desenvolver o turismo verde”, disse Hu Heping.

Todas estas intervenções foram feitas durante o Fórum Global de Economia e Turismo  que está a decorrer até sábado, em Macau.