As Maldivas eram já um antigo sonho da Sonhando. A oportunidade de o lançar agora no mercado nacional chegou agora e por vários motivos, começa por dizer José Manuel Antunes, diretor geral da Sonhando, aquando da apresentação, em Lisboa, aos agentes de viagens do novo produto.

Relembrando que a Sonhando tem como princípio oferecer sempre os melhores produtos, neste caso destinos, e com a qualidade que lhe é reconhecida, o diretor geral da Sonhando confessa que esta oferta já estava a ser preparada há algum tempo e à espera de uma boa oportunidade para ser lançada.

Agora, sólidos no produto, temos parcerias com três companhias aéreas – Emirates, Lufthansa e Turkish – e com exclusividade em vários ‘resorts’ nas Maldivas.

José Manuel Antunes ressalva que a inclusão do novo destino no portfólio da Sonhando também só foi possível com um aumento dos quadros no Porto, com a entrada de dois profissionais, e ainda daquele que é hoje, hierarquicamente, o número dois da empresa, o Fernando Bandrés, um muito bom conhecedor do destino que agora se lança.

Quanto às Maldivas, destino que é também conhecido no mercado português, José Manuel Antunes salienta que é mais uma opção que vem alargar o portfólio da Sonhando que será ainda ampliado com alguns novos destinos a apresentar em breve.

Preocupação quanto ao futuro

Nesta breve troca de palavras à margem da apresentação do destino Maldivas no hotel Vila Galé Ópera em Lisboa – outra apresentação decorreu no Porto – José Manuel Antunes disse que, na generalidade, está preocupado com o futuro que se adivinha, caso a situação não se altere, nomeadamente com o crescer da inflação e da diminuição do poder de compra dos portugueses. E como todos sabemos, nestes casos, as viagens são a primeira coisa a reduzir.

A Sonhando vai ter que se habituar às contingências, como já o fez anteriormente, talvez baixar o preço em alguns produtos. Todavia, vamos continuar a fazer esforços para apresentar alguns novos destinos e continuar a promover aqueles que já são tradicionais na Sonhando, como o Porto Santo, Tunísia, Cuba, São Tomé, entre outros, e também Cancun com a TAP, afirma o diretor geral do operador, acrescentando que a empresa tem um portfólio de uma dezena de destinos, mas o que fazemos é bem feito, com grande qualidade e cada vez melhor.

Operação Timor: ainda uma incógnita para 2023

Quanto à operação Timor com a euroAtlantic airways para o próximo ano ainda é uma incógnita.

Timor tem feito ultimamente várias alterações governamentais. Todavia, a minha convicção pessoal é que a Sonhando vai fazer em 2023 sete ou oito voos, com a possibilidade de aumentar a operação.

Este ano, ainda vai acontecer mais uma rotação, com partida de Lisboa no dia 10 de dezembro e regresso de Dili a 13.

Certo para já é uma operação que será realizada em fevereiro de 2023 para nomeadamente levar professores para Timor, frisa José Manuel Antunes.

LM

 

Artigo anteriorAir France sob a ameaça de greve de dois sindicatos
Próximo artigoPassageiros nos aeroportos em setembro aproximam-se dos níveis de 2019