Quatro entidades da região Centro de Portugal, mais concretamente a Turismo Centro de Portugal e as Comunidades Intermunicipais (CIM) Viseu Dão Lafões, Beiras e Serra da Estrela e Região de Aveiro, apresentaram em conjunto, o projeto de estruturação do produto EN16, uma estrada nacional que apresenta grande potencial turístico.
A Estrada Nacional 16 (EN16) é uma via que atravessa vários territórios, mais concretamente a região de Aveiro, a região Viseu Dão Lafões e a região da Beira Interior e Serra da Estrela, ligando Aveiro a Vilar Formoso.

O projeto agora apresentado pretende congregar estes territórios e valorizar os seus recursos turísticos.
O protocolo de colaboração prevê a execução de múltiplas ações.

Entre elas, por exemplo, a criação de uma rede colaborativa, que envolve entidades públicas e agentes privados, como os municípios, o Turismo de Portugal, a ARHRESP, a CCDR-Centro e a IP – Infraestruturas de Portugal, e o levantamento de elementos identitários da EN16 e a identificação dos recursos turísticos ao longo do percurso.

O que é a EN16?

A EN16 é uma estrada com história, construída na década de 1930. Constituía um dos itinerários principais estabelecidos pelo Plano Rodoviário Nacional de 1945, uma vez que ligava um importante porto de mar (Aveiro) à maior fronteira terrestre portuguesa (Vilar Formoso). Desde que foi construída a A25, é uma estrada pouco movimentada, mas com grande potencial turístico.

No seu trajeto, com cerca de 225 km de extensão, a EN16 atravessa 14 concelhos: Aveiro, Albergaria-a-Velha, Águeda, Sever do Vouga, Oliveira de Frades, Vouzela, Viseu, São Pedro do Sul, Mangualde, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Guarda, Pinhel e Almeida.

Pelo caminho, cruza os rios Vouga, Mau, Sátão, Dão, Mondego e Côa e espaços naturais tão importantes como a Ria de Aveiro, a Serra do Caramulo e a Serra da Estrela.

É também de assinalar também o notável conjunto arbóreo instalado à beira da estrada, com muitos exemplares notáveis.

Artigo anteriorAeroporto de Faro batizado com o nome de Gago Coutinho
Próximo artigoGrupo SATA: julho e agosto ultrapassam valores de 2019

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui