Jacob Rees-Mogg insistiu que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) – processo conhecido como ‘Brexit’ – não é causa responsável pelos engarrafamentos que os turistas que tentam atravessar o Canal da Mancha têm enfrentado desde a semana passada.

Nesse sentido, o secretário de Estado do ‘Brexit’ sugeriu que os britânicos devem ir de férias para Portugal em vez de França para evitar as filas de espera registadas nas últimas semanas no controlo dos passaportes no porto de Dover.

Em recentes declarações à Sky News, lembrou que vale a pena notar que os portugueses permitiram que os britânicos utilizassem e-Gates [portas eletrónicas] para entrar em Portugal. Portanto, pode ser que as pessoas achem mais fácil ir de férias a Portugal.

Jacob Rees-Mogg recordou que Portugal é o aliado mais antigo do Reino Unido, invocando o Tratado de Windsor de 1386, por isso devemos ser sempre muito simpáticos para com os portugueses.

O secretário de Estado britânico referia-se ao facto de Portugal permitir o uso das portas tecnológicas de controlo de fronteiras nos aeroportos a cidadãos de países terceiros à UE como o Reino Unido, bem como os Estados Unidos, Canadá, Nova Zelândia, Austrália, Japão e Singapura.

Todavia, só podem usar esta modalidade os britânicos maiores de 18 anos, e após passarem as portas eletrónicas têm de esperar para que os passaportes sejam carimbados de forma a possibilitar que as autoridades portuguesas controlem o período máximo de estadia de 90 dias.

Artigo anteriorGrupo SATA com o melhor 1º semestre de sempre em Receita
Próximo artigoReceitas turísticas em 2022 com crescimento significativo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui