COMPARTILHE

Numa perpendicular à Rua de Belém, a “dois passos” da PSP abriu um pequeno restaurante que pretende honrar não só a tradicional comida portuguesa, mas também a visão da Taberna. À antiga, claro. Chão de pedra, mesas com tampo em mármore, móveis antigos… é assim que a Taberna dos Ferreiros se apresenta ao mundo. Um espaço despretensioso que pretende mostrar o que de melhor Portugal tem. Em termos de petiscos e pratos regionais.

E, para começar, nada melhor do que uns Peixinhos da Horta. Um petisco tipicamente português (embora a tempura do Japão seja algo parecida) mas, diz quem provou, estava no ponto. O certo é que rapidamente desapareceram. São servidos com um molho com mostarda Dijon (mas que pode facilmente ser dispensada). Ainda na senda dos petiscos (ou entradas, como preferirem) a carta apresenta um Polvo Braseado sobre Carpaccio de Batata e ainda umas Almôndegas de Borrego recheadas com Brie. Estas últimas, servidas num formato mais pequeno do que o habitual, são apresentadas numa cama de molho de tomate e salsa picada. Uma combinação interessante, não só pelo contraste de sabores (o sabor mais intenso do Brie e o mais ácido do tomate) mas também pela textura. Um prato que poderia parecer arriscado à partida (nem todos gostam do sabor do borrego) mas que provou ser uma boa escolha. Quanto ao polvo a maior surpresa residiu na batata. Cortada uniformemente, às rodelas, e ligeiramente frita, auferia um toque crocante ao um prato dominando pela maciez do polvo.

Os restantes pratos foram menos tradicionais, numa tentativa de ter algo “internacional” para conquistar os clientes (diga-se turistas) menos aventureiros a experimentar a gastronomia portuguesa. É o caso das Asinhas de Frango com Molho Thai e da Pasta Carbonara com Gambas e Espargos Frescos. Não que os dois pratos não sejam bons. Pelo contrário. Apenas aconselhamos os “verdadeiros”, os tradicionais portugueses. Como um belo bacalhau, por exemplo.

Na parte da carne uma espécie de Magret de Pato servido com Arroz Cremoso de Cogumelos (parecido, mas não igual a um risotto). Sobre a carne nada a dizer. Servida no ponto (especialmente para quem não gosta de carne demasiado bem passada, estilo “sola de sapato”) e bem temperada. O arroz, com os aromas puxados (diga-se bem, temperado) contraria um pouco a tendência de se optar pela comida algo insossa.

Mas, nos pratos a escolha recai sobre receitas mais tradicionais (embora com uma apresentação algo cuidada) nas sobremesas há o cuidado de optar pelo diferente: Mousse “À Ferreiro” – diga-se uma mousse de chocolate preto com migalhas de amêndoa e uma espécie de biscoito de chocolate – e ainda uma Mini Torta de Limão. Aqui, apesar de a tendência dizer que a escolha tende a recair sobre o chocolate, na verdade a preferência foi para a torta de limão. Servida numa base de bolo e com uma camada de cheesecake surpreendeu pela frescura e pela acidez.

Este é claramente um espaço que incentiva à partilha. Que apela a que se experimentem várias entradas antes de avançar para o prato principal (ou directamente para a sobremesa). Os preços estão ajustados à zona (o valor médio, já vinho, ronda os 20 euros por pessoa), o que não é “nada de mais”. Pela zona onde a Taberna está localizada e pela comida servida.

Este é um espaço a descobrir. E esta é mesmo a questão. A localização faz com que, para já, a Taberna dos Ferreiros seja ainda um pequeno, grande, segredo de Belém. O estar numa pequena ruela, num local em que, pela proximidade com o Palácio de Belém, impede a sinalização (diga-se publicidade) ao restaurante, dificulta, por enquanto, a sua divulgação. Resta saber até quando.

Taberna dos Ferreiros
Travessa dos Ferreiros a Belém | 1300-233 Lisboa
21 587 38 37

Por Alexandra Costa