COMPARTILHE

São Miguel é a maior ilha do arquipélago, imensamente coberta de extensos e verdes prados e densas matas que decoram os vales das ribeiras e muito devota nas festividades religiosas.

A cidade de Ponta Delgada, a capital da ilha, oferece a igreja matriz para as principais celebrações do Natal e da Páscoa, que se entendem por todos os recantos da ilha como um convite para desfrutar da tradição na sua essência, o cenário ideal para comemorar estas festas de família. Também a não perder são as Festas de Espírito Santo, que se realizam no quinto domingo após a Páscoa.

Se se pode assim dizer, o mais interessante ex-libris do arquipélago avista-se do miradouro da Vista do Rei, a deslumbrante Lagoa das Sete Cidades, onde lendas e mitos vislumbram o azul e o verde das águas separadas, assim como a lagoa do Fogo, marcadamente selvagem.

Paisagens deslumbrantes, que desafiam os miradouros, de onde também se avistam as ilhotas espalhadas ao largo da costa.

Mas há muito mais para fazer em São Miguel e por isso há que explorar os trilhos – conhecidos em todo o mundo -, a pé, a cavalo ou de bicicleta, ou jogar/treinar golfe que conta dois “greens” nesta ilha.

No mar, a observação dos cetáceos e o mergulho são as actividades mais espectaculares para quem gosta de tirar partido da Natureza e melhor ainda se realizadas em família.

Indispensável é uma visita às plantações de chá Gorreana e Porto Formoso, ou provar o cozido das Furnas, em Ponta Delgada. Explore-se também o infindável património e aconselha-se uma paragem nos arcos das Portas da Cidade, uma visita à Igreja Matriz de São Sebastião, o Museu Carlos Machado, e o Convento de Santo André. De incluir ainda uma viagem à Ribeira dos Caldeirões para ver um dos exemplares mais bem preservados dos moinhos de água ou uma visita para apreciar o artesanato de Vila Franca do Campo – e provar uma das suas deliciosas queijadas -, Lagoa e Ribeira Grande.

Para aqueles que se sentem mais atraídos pelas águas do mar, existem praias privilegiadas de basalto negro e mar aquecido pelas correntes do Golfe para a prática do surf e vela, e a pesca desportiva de alto mar.

Os trilhos selvagens da ilha são um desafio e convidam a safaris 4×4, a flora caracterizada pelo azevinho e pelo cedro do mato é o cenário perfeito para passeios pedestres, enquanto o melro negro, o cagarro e o priolo justificam a presença numa actividade de observação de aves.

Não se deve também omitir que a ilha é um destino para golfistas e que a paisagem intocável de São Miguel também pode ser vivida intensamente num passeio a cavalo.

A cidade tem animação própria com alguns bares e discotecas e oferece uma gastronomia regional em inúmeros restaurantes. O parque hoteleiro oferece uma variada paleta de opções e uma descoberta da cidade, a pé, pelas suas ruas torna-se um passeio interessante.

E é neste cenário privilegiado que irá decorrer o Congresso Nacional da APAVT, de 21 a 25 de novembro, sob o tema “Turismo: os desafios do crescimento”.