Está aqui
O que “inventam” os britânicos para não pagarem férias

O que “inventam” os britânicos para não pagarem férias

 

Em minha opinião, e pelo que tem sido descrito, deve estar para breve a abolição do sistema Tudo Incluído; os restaurantes de hotéis funcionarão como independentes, com acesso directo da rua.

Em Espanha, a menos de um mês do início da estação alta, os hoteleiros estão em pé de guerra. Uma onda de fraudes nas férias organizadas sopra no reino de Espanha há quase um ano. Causa: turistas ingleses decididos a gozarem férias à borla ao sol, com tudo incluído descobriram uma fórmula: Simular uma INTOXICAÇÃO  ALIMENTAR. Sucesso quase garantido.

Isto porque, sendo a estada em regime de pensão completa, a legislação britânica não exige nenhuma prova médica para suportar uma reclamação no regresso das férias. E, até ao momento, os hoteleiros espanhóis preferem pagar a serem arrastados para longos e caros processos judiciais. Aliás, eles não pagam; é-lhes automaticamente descontado nos pagamentos feitos ao hotel pelo operador turístico.

Quando estalou a “epidemia” em 2016, a imprensa espanhola ironizou “Espanha causa diarreia aos britânicos”. Hoje, a amplitude da fraude não dá vontade de rir. Segundo o secretário geral da Confederação Espanhola de Hotéis, as falsas intoxicações teriam custado já este ano  60 milhões de euros. Dans les Baléares, le nombre de plaintes a augmenté de 700 % en un an.

Interessante é a criação de emprego que a legislação inglesa origina: em território espanhol, nas redondezas dos hotéis que praticam o “Tudo Incluído” existem carrinhas que são verdadeiros escritórios de advogados, que anunciam: Faça aqui a sua reclamação. Reembolso garantido. Se não for reembolsado, não paga nada”.

Ce n’est pas tout. Dans certaines destinations touristiques, comme aux Canaries, des fourgonnettes affichant sur leurs portières “Claims Clinic” (Clinique de plaintes) circulent près des hôtels et des hôpitaux afin d’inciter les touristes à dénoncer tout type de malaise gastrique. Réel ou pas ? Toute la question est là. «Nous avons calculé que plus de 90 % des réclamations reçues par les tour-opérateurs sont frauduleuses, avance la Cehat. Si elles étaient vraies, une alerte sanitaire mondiale aurait déjà été décrétée… Lê-se no jornal francês Le Monde de 02 de junho.

Num acção liderada pela ABTA, a Associação Britânica das Agências de Viagens, que inclui uma carta-aberta dirigida ao novo secretário da Justiça, David Lidington, os hoteleiros e a Associação Britânica das Agências de Viagens exige que o Executivo modifique a legislação que permite apresentar um sem-número de reclamações falsas. Esta carta é a continuação do que já vem sendo solicitado desde o passado Outono.

Luís Gonçalves

Nota: Este texto foi escrito sem respeitar o novo AO, porque entendo que a etimologia da palavra é a raiz que sustenta a cultura de uma língua.

Share this:

Posts relacionados

One thought on “O que “inventam” os britânicos para não pagarem férias

  1. A FAMILY accused of lying about getting sick on holiday to extort £52,000 in compensation from Thomas Cook are set to appear in court in a landmark case.

    Deborah Briton, 53, and partner Paul Roberts, 43, allegedly submitted fake food poisoning claims for themselves and their two children on all-inclusive holidays in Majorca.
    The Sun, 17 de Julho 2017

Comments are closed.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial