Início Aviação Brasil tem novas regras nas passagens aéreas

Brasil tem novas regras nas passagens aéreas

COMPARTILHE

 

Segundo uma nota do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil brasileiro, as novas regras para nos voos domésticos e internacionais no Brasil, entram em vigor no dia 14 de março de 2017.

Estas regras vão alterar não somente a vida dos passageiros nas viagens domésticas, como também os passageiros de voos internacionais, que trocam de voos nas chegadas e continuam as suas viagens para o destino final, como é o caso do mercado de/para Portugal.

Segundo o Ministério dos Transportes do Brasil, 81,2 milhões fizeram voos domésticos, sendo que 30% fizeram as suas viagens apenas com bagagem de mão, porém arcaram com os custos do despacho de bagagens, mesmo sem utilizar o serviço.

Ao contrário do que se possa acreditar, o transporte de bagagem não é gratuito, sendo que uma taxa única é embutida no valor do bilhete aéreo. Valor esse que é igual para todos e apenas prevê o máximo de peso permitido – ou seja, quem não despacha nada e viaja com uma bagagem de mão de 5Kgs paga o mesmo que uma pessoa que despacha 23Kgs.

A partir de 14 de março, as companhias aéreas poderão cobrar tarifas diferenciadas, de acordo com o peso da bagagem despachada. Essa flexibilidade permitirá que as companhias criem produtos diferenciados para atender a um perfil variado de passageiros.

Com a entrada em vigor da nova resolução, o Brasil começa a praticar uma política idêntica a todos os países, onde as companhias aéreas têm a liberdade de fixar valores, de acordo com o peso das bagagens. Quem viaja apenas com uma mochila ou uma pequena mala a bordo, não precisará tarifa até então incluída na passagem.

As companhias aéreas deverão no entanto deixar bem claro no acto da compra da passagem, o valor a ser cobrado por quilo despachado. Aconselha-se assim aos passageiros pesaram com antecedência a sua bagagem, evitando-se surpresas no momento do check-in.

Ainda segundo o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil brasileiro, entram em vigor com a resolução, outras regras que serão igualmente importantes para os passageiros.

1 – As taxas de cancelamento, reembolso ou remarcação não poderão ser maiores que o valor pago pela passagem, mesmo que seja uma tarifa promocional.

2 – O passageiro terá até 24 horas, a partir da compra do bilhete, para desistir da passagem, desde que ela tenha sido comprada em, no mínimo, sete dias antes do voo.

3 – O prazo para o reembolso ou estorno da passagem, deverá ocorrer em até sete dias depois da sua solicitação de cancelamento.

4 – As companhias aéreas poderão oferecer, num mesmo voo, opções por franquias de bagagens diferenciadas para o passageiro escolher. Hoje, despachando ou não, todos pagam por 23kgs em voos domésticos de 2 volumes de 32kgs cada em voos internacionais.

5 – A devolução da bagagem extraviada deverá ser devolvida em até sete dias, em voos domésticos, ou em até 21 dias para os voos internacionais.

6 – Quanto a indemnização no caso de bagagem extraviada, caso a companhia aérea não restitua a bagagem nos prazos acima indicados, deverá efetuar o pagamento da indeminização até sete dias.

7 – Com as novas regras, o limite de peso da bagem de mão, passa dos 5kgs para 10kgs, sem cobrança adicional, porém muito atenção as dimensões e quantidades de volumes a serem determinados pelas companhias aéreas.

8 – Outra alteração é quanto ao valor da passagem aérea, que passa a ser o valor total da viagem e não somente da tarifa base sem as taxas. Informação que deverá ser dada ao passageiro desde o momento da consulta da viagem.

9 – Hoje o cliente quando não comparece para fazer o voo de ida, mesmo sob aviso, perde automaticamente o trecho de volta. Com as novas regras, o passageiro comunicando até o momento da decolagem do voo de ida, não perderá o direito a manter a sua reserva para o voo de volta.

10 – Outra regra bastante importante é quanto a alteração do nome sem custo. Muito embora o bilhete continue sendo pessoal e intransferível, o passageiro poderá alterar a qualquer momento a grafia do nome no bilhete, sem qualquer custo, desde que a correção seja necessária para o embarque.

Ainda segundo aquela entidade, a nova resolução vai aproximar o Brasil do que é praticado na maior parte do mundo, trazendo mais opções de serviços e preços que atenderão aos diferentes perfis de passageiros.