Início Hotelaria Alojamento Local quer continuar actividade apesar da carga fiscal

Alojamento Local quer continuar actividade apesar da carga fiscal

COMPARTILHE

 

Os proprietários do Alojamento Local (AL) nas regiões Norte, Centro e Alentejo estão satisfeitos com o negócio e pretendem continuar a actividade, apesar de apontarem a sazonalidade e a carga fiscal como principais obstáculos, conclui um estudo apresentado pela AHRESP.

O estudo “Qualificação e Valorização do Alojamento Local”, encomendado pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, inquiriu 2.183 empresários e analisou um total de 2.189 alojamentos locais, dos quais 1.132 no Norte, 672 no Centro e os restantes 385 no Alentejo.

A investigação permitiu concluir que os empresários do AL estão satisfeitos com o negócio e querem continuar a desempenhar esta actividade, sendo que no Norte 99,5% dos proprietários manifestou vontade em continuar, no Alentejo 95,9%, e, por fim, 86,3% dos empresários do Centro mostrou interesse em permanecer neste negócio.

Quanto aos proprietários do AL na região Norte, o estudo salienta que mais novos e com níveis de escolaridade altos em relação às outras regiões, estão muito optimistas com a sua actividade: quase dois terços declaram que é sua actividade principal, 53% define-se como empresários do Turismo e 99,5% pretende continuar a sua actividade.

Em relação ao número de anos necessários para recuperar o investimento efectuado, os empresários do Centro estimam cerca de 10 anos, enquanto os proprietários das regiões Norte e Alentejo admitem cerca de seis anos.

No entanto, a sazonalidade e a carga fiscal são ameaças transversais a todas as regiões, de acordo com o estudo, que inquiriu 2.183 empresários e analisou 2.189 unidades de AL em funcionamento, que representam 16% do total de unidades presentes no Registo Nacional de Estabelecimentos de Alojamento Local (RNAL).

O problema da sazonalidade é, contudo, mais visível no Centro e menos no Alentejo, conclui também o documento.

Além destes aspectos, foi ainda feita uma caracterização das unidades de alojamento local, do perfil dos empresários e ainda dos hóspedes.